Glossário

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V X Y Z

A

ABAMEC - Sigla que denomina Associação Brasileira dos Analistas do Mercado de Capitais. Entidade que busca melhorar a eficiência e transparência do mercado de capitais através do desenvolvimento dos analistas de mercado de capitais, que são estimulados a adotar padrões éticos de conduta e buscar um constante aprimoramento profissional.

ABERTURA - Termo genérico usado para definir a cotação do primeiro negócio do dia de um determinado ativo cotado em bolsa de valores, que pode ser uma ação, um contrato futuro ou outros.

ABONO ANUAL - O abono anual é uma espécie de 14º salário, calculado com base no valor de um salário mínimo, pago anualmente aos trabalhadores. Contudo, somente os trabalhadores que se enquadrarem nas seguintes condições terão direito ao benefício:
receberam a remuneração de até dois salários mínimos mensais, em média, durante o ano anterior;
trabalharam no ano anterior pelo menos 30 dias com carteira registrada;
sejam cadastrados no PIS/PASEP há pelo menos cinco anos.

AÇÃO - Valor mobiliário emitido pelas sociedades anônimas, representando a menor fração do capital destas empresas. As empresas emitem ações para aumentar o capital social, e os recursos levantados podem ser utilizados para vários fins, sobretudo futuros investimentos

AÇÃO CHEIA - Ação no qual o investidor terá direito de receber dividendos e bonificações ou exercer subscrições, o que a diferencia de uma ação "ex" ou "vazia", onde estes direitos já foram exercidos.

AÇÃO COM VALOR NOMINAL - Tipo de ação que possui valor impresso, sendo que esse é determinado pelo estatuto da companhia que a emite.

AÇÃO EM TESOURARIA - Termo que denomina as ações que foram emitidas e posteriormente recompradas pela própria empresa. Na maioria das vezes, a empresa opta pela recompra das ações como forma de obter ações para os programas de incentivo de empregados, ou para mais tarde serem dadas na forma de proventos aos acionistas da empresa.

AÇÃO ENDOSSÁVEL - Um dos tipos de ação nominativa, ou seja, cujo certificado é nominal ao seu proprietário, que mediante endosso pode ter sua posse transferida.

AÇÃO ESCRITURAL - É uma ação que circula nos mercados de capitais sem a emissão de certificados ou cautelas, sendo escrituradas por um banco, que atua como depositário das ações da empresa e que processa os pagamentos e transferências por meio da emissão de extratos bancários. Não existe, portanto, movimentação física de ações.

AÇÃO FUNGÍVEL - Tipo de ação em que a empresa responsável pela custódia (ex. instituição financeira, bolsa de valores ou câmara de compensação) se obriga a devolver ao custodiante a quantidade de ações recebidas ajustadas para possíveis alterações no estatuto da empresa. No resgate o custodiante não necessariamente recebe os mesmos títulos que foram deixados em custódia, mas apenas a mesma qualidade e quantidade de ações.

AÇÃO LISTADA EM BOLSA - Ação negociada no pregão de uma bolsa de valores.

AÇÃO NOMINATIVA - É uma ação cujo certificado é nominal ao seu proprietário. O certificado, entretanto, não caracteriza a posse, que só é definida depois do lançamento no Livro Registro das Ações Nominativas da empresa emitente.

AÇÃO OBJETO - Ver ativo objeto.

AÇÃO ORDINÁRIA - São ações que conferem ao acionista direito de voto na empresa, por ocasião da realização das assembléias de acionistas.

AÇÃO PREFERENCIAL - São ações que garantem aos acionistas maior participação nos resultados da empresa, mas que não dão direito a voto. A preferência, no caso, diz respeito à distribuição dos resultados, ou seja, os acionistas preferenciais têm prioridade no recebimento de proventos e no reembolso de capital em caso de dissolução da sociedade em relação aos demais acionistas.

AÇÃO SEM VALOR NOMINAL - Tipo de ação no qual não foi estabelecido um valor de emissão. Nesse caso deve prevalecer o preço de mercado da ação no momento de seu lançamento.

AÇÃO VAZIA (EX) - Ação cujos direitos (dividendos, bonificação, subscrição) já foram exercidos.

ACC - ADIANTAMENTO SOBRE CONTRATOS DE CÂMBIO - Trata-se de uma forma de financiamento utilizada por empresas exportadoras, através da qual a empresa recebe antecipadamente recursos, que são utilizados no financiamento da sua produção. Assim, o banco concede à empresa exportadora uma antecipação dos reais equivalentes à quantia em moeda estrangeira que a empresa iria receber pelas suas vendas a prazo. Vale ressaltar que esta antecipação pode ser parcial ou total.

ACE - ADIANTAMENTO SOBRE CAMBIAIS ENTREGUES - Mesmo conceito que o ACC (Adiantamento de Contrato de Câmbio), a única diferença é que a antecipação de capital ocorre quando a mercadoria já está pronta e embarcada, podendo ser solicitada em até 60 dias após o embarque.

ACEITAÇÃO - Ato de aprovação por parte da seguradora da proposta efetuada pelo segurado para a cobertura de seguro de um determinado risco, sendo que é com base nesta proposta que será emitida a apólice de seguro.

ACEITE BANCÁRIO - Contrato no qual um banco concorda em efetuar o pagamento de uma determinada quantia em uma determinada data futura.

ACEITE CAMBIAL - Contrato através do qual o "sacado" em uma letra de câmbio se compromete a pagar o valor inscrito na letra de câmbio em uma determinada data futura.

ACEITE COMERCIAL - Contrato através do qual uma empresa concorda em pagar uma certa quantia acordada entre as partes em uma determinada data futura.

ACIDENTE PESSOAL - Uma das modalidades de seguro existentes no mercado, cujo evento gerador do sinistro é um evento involuntário causado por acidente externo, súbito e violento que leva o segurado a sofrer lesão física. Esta lesão, por si só, poderá causar a morte, invalidez permanente ou tornar necessário o recebimento de atendimento médico.

ACIONISTA - Possuidor de ações de uma sociedade anônima, o que o caracteriza como proprietário de uma parcela da empresa.

ACIONISTA CONTROLADOR - Termo usado para designar o indivíduo, empresa, ou grupo de pessoas que através dos seus direitos de sócio conseguem efetivamente, e de maneira permanente, controlar as votações e deliberações durante a assembléia geral da empresa, assim como nomear a maior parte dos administradores da empresa.

ACIONISTA DISSIDENTE - Termo usado para designar os acionistas que mediante o reembolso do valor de suas ações decidem retirar-se da companhia, exercendo dessa maneira o seu direito de recesso. Vale ressaltar que o acionista cuja ação for de classe que tenha liquidez e dispersão no mercado não poderá exercer esse direito. Uma ação será considerada dispersa quando o acionista controlador detiver menos do que a metade dessa classe de ação, e liquida quando a mesma fizer parte de algum índice negociado no Brasil ou exterior e que seja definido pela CVM - Comissão de Valores Mobiliários.

ACIONISTA MAJORITÁRIO - Acionista que possui uma quantidade de ações com direito a voto que lhe permite manter o controle acionário de uma empresa.

ACIONISTA MINORITÁRIO - Acionista que possui uma quantidade de ações que não é suficiente para manter o controle acionário de uma empresa.

ACORDO DE BASILÉIA - Acordo do qual vários países são signatários, e que o Brasil assinou em 1988, no qual foram estabelecidos os princípios fundamentais que devem ser usados como referência pelos órgãos supervisores e outras autoridades públicas na supervisão dos bancos localizados nos países que assinaram o acordo.

ACORDO DE COOPERAÇÃO - Forma de colaboração entre organizações que não implica na constituição de nova entidade e que pode incluir desde acordos técnicos e financeiros, até parcerias, sendo que esta última é considerada a forma mais evoluída de cooperação.

ACORDO DE CRÉDITO ROTATIVO - Linha de crédito na qual o banco mantém os recursos disponíveis para o tomador durante todo o período de duração do acordo. Contudo, como os recursos estão à disposição do tomador, independente de serem ou não usados, os bancos tendem a cobrar mais caro por estas linhas de crédito.

ACORDO DE RECOMPRA - Acordo através do qual o emissor de um título se compromete a recomprá-lo, por um preço estabelecido no ato da venda, antes da data de vencimento do título. Nas operações de venda de títulos públicos de curto prazo em geral o governo opta por esse tipo de acordo, garantindo a recompra dos papéis a um preço mais elevado que o de emissão.

ACQUIRER - Termo usado na indústria de cartão de crédito que denomina as empresas responsáveis pela filiação, gerenciamento e relacionamento com os estabelecimentos comerciais. No Brasil estão presentes a RedeCard, VisaNet e o Amex. Cada uma delas é responsável pelo relacionamento com os estabelecimentos que recebem cartões de bandeiras específicas, ou seja, cada bandeira tem apenas um acquirer.

Por exemplo, a Redecard é responsável pelos estabelecimentos da maioria das bandeiras (Mastercard, Diners Club e RedeShop), enquanto a VisaNet e o Amex são responsáveis respectivamente pelos estabelecimentos que trabalham com os cartões das bandeiras Visa e American Express.

ADESÃO (CONTRATO DE) - A maior parte dos contratos de seguro é, na verdade, composta de contratos de adesão, pois seus termos e condições são elaborados pelo segurador e o segurado simplesmente adere ao contrato. Exatamente por isto, nos contratos em que existe ambigüidade é necessária a intervenção de um juiz.

Os contratos de seguros de riscos comerciais, industriais e marítimos e de aeronaves não são mais chamados de contratos de adesão, pois é o próprio segurado que negocia os termos do contrato com a seguradora, o que não acontece com os chamados seguros de massa.

Pela mesma razão, os contratos de re-seguro também não são considerados como sendo de adesão, pois ambas as partes pertencem à mesma indústria e, portanto, existe negociação de cláusulas.

ADITIVO (SEGUROS) - Condição adicional incluída no contrato de seguro, além das já previstas anteriormente.

ADMINISTRAÇÃO ATIVA - Em geral essa expressão é usada para definir o tipo de estratégia de administração de um fundo de investimento. Nesse tipo de estratégia o administrador compra e vende ações, sem replicar nenhum índice, mas sempre tentando obter uma rentabilidade acima do índice estabelecido como referência (benchmark).

ADMINISTRAÇÃO PASSIVA - Expressão usada para definir o tipo de estratégia de administração de fundo de investimento. Nesse caso, o administrador busca replicar o retorno da carteira de um índice previamente definido (o benchmark). O objetivo é que o retorno do fundo seja aproximadamente igual, ou um pouco superior, ao retorno do índice escolhido.

ADR (AMERICAN DEPOSITARY RECEIPT) - Os ADRS são recibos emitidos por um banco depositário norte-americano e que representam ações de um emissor estrangeiro que se encontram depositadas e sob custódia deste banco. Os ADR´s são cotados em dólares norte-americanos e trazem grandes vantagens ao emissor estrangeiro, já que facilitam o acesso ao mercado norte-americano. Existem três níveis distintos de ADRs: ADR nível 1, nível 2 e nível 3.

ADR NÍVEL 1 - Trata-se de um dos tipos de ADR (America Depositary Receipt) cuja negociação é feita somente no mercado de balcão norte-americano, ou seja, não é possível efetuar oferta pública do ADR nos EUA. A captação dos recursos levantados pela emissão do ADR fica cargo do banco depositário dos ADRs.

ADR NÍVEL 2 - Trata-se de um dos tipos de ADR (America Depositary Receipt) cuja negociação é feita na Nasdaq, e por isso as demonstrações financeiras da empresa cujas ações fazem parte do ADR devem estar de acordo com os princípios contábeis adotados nos EUA, o US GAAP.

ADR NÍVEL 3 - Trata-se de um dos tipos de ADR (America Depositary Receipt) cuja negociação pode ser feita em qualquer bolsa de âmbito nacional dos EUA, ou na Nasdaq. Ao contrário dos outros níveis de ADR, ele deve estar emitido com base em ações novas da companhia, e vinculado a uma emissão pública dessas ações nos EUA. Da mesma forma que no AR nível 2 as demonstrações financeiras da empresa cujas ações fazem parte do ADR devem estar de acordo com os princípios contábeis adotados nos EUA, o US GAAP.

AFTER-MARKET - Termo do inglês e significa "depois do mercado" e que designa o pregão eletrônico noturno que ocorre depois do fechamento do pregão regular todos os dias. Somente podem ser negociadas nesse mercado as operações no mercado à vista.

AGÊNCIA DE FOMENTO - Entidade que busca ajudar no desenvolvimento de empresas, através da oferta de linhas especiais de crédito, cujos recursos podem ser usados tanto no financiamento do capital de giro quanto dos investimentos destas empresas. As agências também contribuem para o desenvolvimento destas empresas, através da oferta de garantia, assessoria e consultoria financeira, do estímulo à produção regional e da assistência à implementação de projetos de desenvolvimento industrial. Sob supervisão do Banco Central, as agências integram o Sistema Financeiro Nacional.

AGENTE DE CUSTÓDIA - Instituição financeira responsável pela administração, tanto de suas contas próprias como das contas de clientes, junto aos serviços de custódia, sendo que as contas de custódia podem ser mantidas em nome de seus clientes. Dentre as instituições financeiras que podem atuar como agentes de custódia da CLBC, podemos citar:
distribuidoras de valores
corretoras de valores
bancos comerciais, múltiplos ou de investimento.

AGENTE FINANCEIRO - Termo que designa a instituição financeira que pode representar, como garantidora, financiadora ou endossante, uma entidade pública. O agente financeiro pode ou não assumir a co-responsabilidade no que estiver participando. Os agentes financeiros podem, por exemplo, atuar como mandatários da entidade pública na cobrança e recebimento de empréstimos e financiamentos, sendo que para tanto é preciso prestar contas dos valores recebidos, como previsto nos contratos de financiamentos.

AGRAVAÇÃO DE RISCO - Também conhecido na indústria de seguros, como hazard. Trata-se das circunstâncias que aumentam a probabilidade, a freqüência, ou magnitude, de que um sinistro ocorra. Estas circunstâncias independem da vontade do segurado e, por isto, levam à uma mudança na taxa ou nas condições oferecidas no seguro.
Em geral as seguradoras trabalham com vários tipos de agravamentos, como por exemplo:
Agravação moral: quando a seguradora acredita que o segurado tenha alguma razão para intencionalmente acarretar um sinistro;
Agravação física: características tangíveis de risco de uma determinada exposição que aumentem as chances de ocorrer um sinistro.

ALAVANCAGEM - Termo comumente usado em finanças para descrever a capacidade que uma empresa possui de usar ativos, ou recursos com um custo fixo, com o objetivo de aumentar o retorno aos seus acionistas. A alavancagem pode ser de dois tipos (financeira e operacional), sendo que a soma destes dois tipos de alavancagem resulta no que chamamos em finanças de alavancagem total ou combinada.

ALFA - Medida de retorno ajustado para o risco usada na análise de carteiras de investimento. Bastante usado na análise de fundos de investimento esse indicador é calculado como sendo a diferença entre o retorno esperado da carteira, ajustado para o risco, e o retorno esperado justo, esse último calculado em função do modelo CAPM (capital Asset Pricing Model).

ALIANÇA ESTRATÉGICA - Associação entre empresas com o propósito de unir recursos físicos e humanos como opção estratégica de crescimento. Pode ocorrer entre fabricantes de produtos e/ou serviços complementares e/ou concorrentes.

ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA - Transferência ao credor da posse de um bem, como forma de garantia de pagamento de uma obrigação que lhe é devida. Assim que a dívida for quitada, o bem é transferido de volta ao seu antigo proprietário.

ALL-RISKS - Tipo de cobertura de seguro de danos materiais, que inclui a cobertura de todos os prejuízos, com exceção dos riscos que tenham sido acarretados pelos riscos excluídos descritos na apólice.

ALOCAÇÃO DA CARTEIRA - Termo usado para definir a forma com que os recursos de uma carteira de investimentos serão alocados entre as várias classes de ativos ou entre diferentes ativos. Por exemplo, podemos alocar uma carteira entre ativos de renda variável e renda fixa.

ALOCAÇÃO EFICIENTE - Termo usado na administração de investimentos através do qual o profissional responsável pela gestão dos recursos consegue aplica-los em várias classes de ativos de forma a obter o maior ganho possível, ao mesmo tempo em que minimiza o risco a que está exposto.

ALONGAMENTO DE DÍVIDA - Termo usado para explicar o processo através do qual através da emissão de novos títulos de dívida de prazo mais longo uma empresa, instituição financeira, ou entidade governamental, consegue aumentar o prazo médio de vencimento da sua dívida. Em geral usado em referência ao processo de administração do estoque de títulos da dívida pública, em que o governo emite novos títulos de dívida cujo prazo de vencimento é maior.

ALUGUEL DE TÍTULO - Operação através das qual em que duas partes fazem um mútuo de ativos financeiros, com prazo de duração determinado, sendo que o tomador do empréstimo deve pagar um prêmio. O tomador do empréstimo pode utilizar os títulos como lastro em garantia de outra operação. Nas operações de mútuo a posse do ativo é transferida ao tomador, que por sua vez se compromete a pagar-lhe em propriedade idêntica na mesma quantidade e qualidade. Esse tipo de operação pode envolver pessoas físicas ou jurídicas, integrantes ou não do Sistema Financeiro Nacional.

AMORTIZAÇÃO - Termo utilizado em financiamentos, que consiste na parcela da prestação paga periodicamente (em geral mensalmente) referente à redução do saldo devedor do financiamento. Através da amortização, o valor total da dívida cai, de forma que ao longo do financiamento as prestações tendem a diminuir, pois a parcela referente à amortização do saldo devedor diminui. No mercado brasileiro são utilizadas três metodologias distintas de amortização do saldo devedor dos financiamentos: o SAC (Sistema de Amortização Constante), a TP (Tabela price) e, mais recentemente, o SACRE (introduzido pela Caixa Econômica Federal).

ANA - Sigla usada para denominar o Aviso de Negociação de Ações, que nada mais é do que um comprovante de operação que a Bolsa de Valores envia ao investidor.

ANÁLISE DE CRÉDITO - Procedimento através do qual a empresa (ou instituição) que irá conceder o crédito determina se a empresa (ou instituição) que pretende levantar esse crédito atende às exigências necessárias para a liberação desses recursos. Esse tipo de análise também pode ser usado para determinar o volume máximo de recursos que o tomador pode levantar com base nas suas características.

ANÁLISE DE INDICADORES - Análise do desempenho de uma empresa com base no resultado de alguns indicadores, que podem ser agrupados como: indicadores de atividade, de estrutura de capital, de liquidez, e de rentabilidade. Em geral estes indicadores são calculados com base nos dados disponíveis no balanço patrimonial e no demonstrativo de resultado da empresa.

ANÁLISE DE PRODUTIVIDADE - Sistema através do qual se pode avaliar a relação entre o nível de atividade dos funcionários de uma empresa e o retorno destes esforços em termos de produção de bens e/ou prestação de serviços. A produtividade de uma empresa aumenta na medida em que ela consegue aumentar sua produção, sem com isto utilizar mais recursos.

ANÁLISE DE RISCO - Avaliação contínua e sistemática dos efeitos adversos, ou riscos, que podem atingir uma determinada empresa em um mercado competitivo.

ANÁLISE DE SENSITIVIDADE - Análise dos efeitos que a mudança de algumas variáveis podem ter sobre a projeção de resultado de uma empresa, de forma a medir o grau de variação destes resultados em relação às mudanças destas variáveis. Assim, uma empresa pode usar a análise de sensitividade para estimar, por exemplo, o impacto do maior/menor crescimento da economia no seu faturamento anual. Também conhecida como análise de sensibilidade.

ANÁLISE DE VIABILIDADE - Avaliação das possibilidades de sucesso de um projeto, através de um exame cuidadoso das características e variáveis que possam afetar o sucesso deste projeto. A análise de viabilidade é usada para ajudar uma empresa no processo decisório, em geral referente à implementação ou não de um negócio/projeto.

ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO - Técnica que permite determinar o volume de vendas da empresa para o qual as receitas se igualam aos custos operacionais totais. O ponto de equilíbrio pode ser determinado tanto em termos de unidade de produto quanto em termos monetários.

ANÁLISE FINANCEIRA - Uma das metodologias usadas pelos analistas para verificar a situação de uma empresa. Esta metodologia se baseia na análise dos demonstrativos financeiros (balanço patrimonial, demonstrativo de resultado e demonstração de origens e recursos) de uma empresa, com o objetivo de determinar a sua posição financeira atual assim como seu desempenho futuro.

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA - Metodologia de análise que utiliza os dados financeiros disponíveis sobre uma empresa para projetar seu desempenho futuro (ex. lucros, posição no mercado, oferta de produtos etc.) e assim determinar um preço justo para as ações da empresa. Para isso, o valor de mercado da empresa é expresso em forma de múltiplos de seu valor patrimonial, lucro estimado, fluxo de caixa e comparado com múltiplos implícitos de empresas no mesmo setor. A principal fonte de informação do analista fundamentalista é o balanço da empresa, de onde ele extrai informações sobre dividendos, lucros, atuação da diretoria, etc.

ANÁLISE MARGINAL - Através da análise marginal é possível comparar os custos incorridos com os benefícios obtidos de algumas estratégias financeiras, o que possibilita que a empresa analise melhor sua estratégia na tentativa de maximizar a sua lucratividade.

ANÁLISE TÉCNICA - Também denominada Análise Gráfica, é uma metodologia que se baseia no comportamento de ações listadas em bolsa ou outros ativos no passado e procura avaliar as possibilidades de flutuações futuras. Em geral, este tipo de análise é usado para se projetar o desempenho de curto prazo de uma ação, enquanto a análise fundamentalista é mais usada para períodos mais longos.

O analista técnico, ou grafista, baseia-se no princípio que os preços se movem em tendências persistentes ao longo do tempo. Uma vez determinada essa tendência, é possível saber qual o melhor momento para comprar ou vender uma ação.

ANBID - Sigla se refere à Associação Nacional de Bancos de Investimento, que representa as instituições financeiras que operam no mercado de capitais. Os associados são, basicamente, os bancos de investimento e os bancos múltiplos com carteira de investimento. Dentre as responsabilidades da Anbid está a coleta e consolidação de informações referentes à indústria de fundos de investimento. Além disto, a entidade é responsável pela determinação dos critérios de classificação dos fundos em categorias e subcategorias.

ANDIMA - A Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro é uma entidade civil sem fins lucrativos que reúne instituições financeiras, incluindo bancos comerciais, múltiplos e de investimento; corretoras e distribuidoras de valores; e administradores de recursos. Além de ser um importante instrumento de representação do setor financeiro, a Associação se destaca como prestadora de serviços, oferecendo suporte técnico e operacional às instituições, fomentando novos mercados e trabalhando pelo desenvolvimento do Sistema Financeiro Nacional.

APIMEC - Sigla que denomina a Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais. De caráter nacional a APIMEC tem como objetivo a certificação de profissionais e intercâmbio internacional com outras confederações de profissionais. Além disso, a entidade representa politicamente o segmento frente ao governo e a entidades representativas congêneres do mercado.

APLICAÇÃO (MÍNIMA) - Da mesma forma que na hora de resgatar os recursos aplicados em um determinado fundo de investimento, ou plano de previdência, o investidor precisa respeitar um valor pré-estabelecido, o mesmo conceito se aplica sempre que considerar novos investimentos. Em alguns casos os fundos diferenciam o valor mínimo da aplicação inicial do valor mínimo de novas aplicações. Desta forma, um fundo pode exigir uma aplicação mínima de R$ 10mil, e para novos aportes este valor é de R$ 1mil.

APÓLICE - Termo usado na indústria de seguros, que denomina o documento mais importante na hora em que se contrata um seguro. Isto porque a emissão da apólice implica na aceitação da proposta e do contrato de seguro por parte da seguradora.

Assim que receber a proposta, a seguradora tem 15 dias para emitir a apólice, que tem como objetivo exprimir de forma concisa e sucinta os principais tópicos cobertos pelo contrato

APORTE INICIAL (OU APLICAÇÃO INICIAL) - O termo "aporte" é usado para definir a primeira contribuição feita quando o investidor adere a um plano de previdência. Já o termo "aplicação" é usado para se referir à primeira aplicação feita por um investidor em um fundo de investimento.

APREGOAÇÃO - Ato de apregoar a compra ou venda de ações, mencionando-se o papel, o tipo, a quantidade de títulos e o preço pelo qual se pretende fechar o negócio, executado por um operador, representante de sociedade corretora, na sala de negociações (pregão).

APRENDIZADO ORGANIZACIONAL - Termo usado para definir o questionamento, avaliação e inovação das práticas de gestão e padrões de trabalho

ARBITRAGEM - Termo usado no mercado financeiro para definir operações que buscam tirar proveito de variações na diferença de preços entre dois ativos ou entre dois mercados, ou das expectativas futuras de mudanças nessas diferenças. Como exemplos, podemos citar a compra de um ativo à vista e a venda desse mesmo ativo a futuro.

ARPU - Sigla que vem do inglês "Average Revenue Per User". Em português significa receita média por usuárioe é um termo muito utilizado para medir o desempenho de operadoras de telecomunicações.

ARRENDADOR - Ver arrendamento.

ARRENDAMENTO (CONTRATO DE) - Contrato entre duas partes, pessoa física ou jurídica, na qual uma das partes cede ativos para a outra, e em troca recebe pagamento por isso. A parte que cede o ativo é chamada de arrendador, enquanto a parte que paga pelo uso dos ativos de terceiro na forma de aluguel é chamada de arrendatária.

ARRENDAMENTO MERCANTIL - Operação realizada entre pessoa jurídica (arrendadora) e pessoa jurídica ou física (arrendatária) através do qual a arrendadora aluga para a arrendatária um determinado bem, sendo que essa última tem a opção de comprar o bem ao final do contrato de arrendamento.

ARRENDATÁRIA - Ver arrendamento.

ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA (AGE) - Reunião de acionistas, de convocação não obrigatória, convocada na forma da lei e dos estatutos, a fim de deliberar sobre qualquer matéria de interesse da sociedade.

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA (AGO) - Reunião de acionistas convocada obrigatoriamente pela diretoria de uma sociedade anônima para verificação dos resultados, leitura, discussão e votação dos relatórios de diretoria e eleição do conselho fiscal da diretoria. Deve ser realizada até quatro meses após o encerramento do exercício social.

ASSET ALLOCATION - Termo que vem do inglês e significa alocação de recursos. Muito usada com referência a escolha dos ativos financeiros (ex. ações, dólar, títulos de renda fixa, etc) que são usados na composição de uma carteira de investimentos.

Em geral, quando se aplica em um fundo de investimento recomenda-se que o investidor analise com cuidado o prospecto para que saiba a forma com que o gestor está alocando os ativos do fundo, ou seja, para entender o asset allocation deste fundo.

ATIVO - Termo que determina propriedades ou itens de valor possuídos por uma empresa ou pessoa. No caso das empresas, representa todos os itens (caixa, estoques, créditos, imóveis, equipamentos, investimentos, etc.) que a empresa possui e que estão contabilizados em seu balanço patrimonial.

Em geral, os ativos de uma empresa são alocados em três categorias, de acordo com a sua liquidez e duração (ativo circulante, realizável no longo prazo e permanente). O total de ativos de uma empresa equivale à soma dos seus passivos e de seu patrimônio líquido.

ATIVO CIRCULANTE - Um dos componentes do balanço patrimonial das empresas. O ativo circulante reflete a soma de todos os ativos de uma empresa que podem, no curto prazo (até 365 dias), ser convertidos em liquidez, ou seja, vendidos de forma a aumentar o caixa da empresa. Em geral, o ativo circulante inclui contas como disponibilidades, créditos, estoques, etc.

Contabilmente, somente ser incluídos no ativo circulante de uma empresa os bens e direitos que a empresa deve realizar em um prazo inferior a 365 dias da data do último exercício social.

ATIVO FINANCEIRO - Todo e qualquer título representativo de parte patrimonial ou dívida.

ATIVO IMOBILIZADO - Um dos componentes do balanço patrimonial das empresas. O ativo imobilizado é composto da soma dos bens tangíveis utilizados nas atividades operacionais da empresa e que não devem ser convertidos em dinheiro, ou consumidos no curso das atividades da empresa (ex. imóveis, maquinário, equipamento, terrenos etc.).

ATIVO OBJETO - Termo usado para denominar os ativos primários dos derivativos. Assim sendo, o contrato de opções pode ser referenciado em: ações, commodities, moedas, índices, instrumentos financeiros, ou contratos futuros (no caso de uma opção sobre contrato futuro).

ATIVO PERMANENTE - Um dos componentes do balanço patrimonial das empresas. O ativo permanente reflete a soma dos ativos imobilizados (imóveis, maquinário etc.) e dos investimentos de longo prazo (participações em empresas coligadas etc.) de uma empresa.

ATIVO RENTÁVEL - O conceito de Ativo Rentável é utilizado somente para instituições financeiras e reflete a soma de todos os ativos que geram um retorno financeiro para a instituição. O retorno total desses ativos está incluído na receita bruta de intermediação financeira da instituição.

ATIVOS INTANGÍVEIS - Termo que define os ativos de uma empresa, que não têm representação física imediata. Fazem parte dos ativos intangíveis de uma empresa as patentes, franquias, nomes e marcas, etc.

ATUÁRIO - Profissional que usa métodos matemáticos complexos para determinar a sinistralidade, assim como outras estatísticas, além de desenvolver sistemas de cálculo de prêmios futuros.

AUDITOR FINANCEIRO - Profissional responsável por fiscalizar as operações financeiras de uma empresa ou instituição financeira.

AUDITOR INDEPENDENTE - Profissional perito-contador que presta serviços de auditoria para empresas, sendo que o mesmo pode ser indivíduo, pessoa jurídica, ou sociedade profissional constituída sobre forma de limitada. No âmbito do mercado financeiro só podem atuar como auditores os profissionais que possuem registro na CVM - Comissão de Valores Mobiliários. Por sua vez, a CVM mantém um cadastro dos profissionais autorizados a emitir e assinar parecer de auditor em nome da empresa.

AUDITORIA - Mecanismo de avaliação independente da saúde financeira de uma empresa (ou instituição financeira), realizada por profissionais sem nenhum vínculo permanente com a empresa (ou instituição financeira). O objetivo desse procedimento é dar maior credibilidade às informações divulgadas, bem como maior segurança para os usuários destas informações.

AUMENTO DE CAPITAL - Termo usado para refletir mudanças na estrutura de capital de uma empresa, através da incorporação de novos recursos (ou reservas) ao capital da empresa. Uma empresa pode efetuar um aumento de capital através de aportes dos seus acionistas, que pode ocorrer na forma de emissão de novas ações no mercado, pela incorporação do capital de outras empresas, mediante bonificação (distribuição gratuita de novas ações aos acionistas), etc.

AUMENTO DO VALOR NOMINAL - Termo que se refere à alteração do valor nominal da ação de uma empresa, que ocorre em decorrência da incorporação de reservas de capital da empresa sem que sejam emitidas novas ações.

AUTO-PATROCÍNIO - Termo usado para designar o direito que o participante de um plano de previdência complementar possui de manter as contribuições a esse plano no momento em que cessar o vinculo profissional. Nesse caso o participante deve arcar não apenas com a sua parcela das contribuições, mas também com aquela que era efetuada pela empresa empregadora.

AUTO-REGULAÇÃO - Termo que define o conjunto de procedimentos criados por entidades privadas cujo objetivo é fiscalizar e manter padrões éticos na condução das operações no setor em que atuam. As principais fontes de auto-regulação do Sistema Financeiro Nacional são as próprias bolsas de valores e mercadorias, assim como as várias entidades de classe que congregam instituições financeiras.

AVAL - Trata-se de uma garantia dada por uma pessoa física (ou jurídica), que se responsabiliza pelo pagamento da dívida, caso o tomador do crédito não honre seu compromisso. Para tanto, é preciso que o avalista consiga comprovar que poderá honrar o compromisso através de patrimônio, inexistência de restrições cadastrais etc.

AVALIAÇÃO ATUARIAL - Estudo que permite, através do qual são avaliados dados pessoais, biométricos e econômicos, dos participantes de um plano de previdência complementar, determinar quais os recursos necessários para que os benefícios futuros devidos aos participantes sejam honrados.

AVERAGE HOURLY EARNINGS - O Departamento de Trabalho dos EUA divulga mensalmente a média de ganhos por hora trabalhada, através de uma pesquisa realizada em 375 mil empresas.

AVERAGE WORKWEEK - O Departamento de Trabalho dos EUA divulga mensalmente a estimativa de médias de horas trabalhadas por semana, através de uma pesquisa realizada com cerca de 375 mil empresas.

AVERBAÇÃO - Termo usado com frequência nos contratos de seguros de transportes que denomina o documento usado pelo segurado para informar a seguradora sobre verbas e objetos usados para garantir apólices em aberto.

AVERBADORA - Termo que é usado para denominar a pessoa jurídica (empresa) que contrata um plano de previdência privada que, no entanto, não participa do custeio do mesmo.

Nos planos de previdência a empresa pode participar como patrocinadora, e efetuar contribuições ao plano dos seus funcionários, ou simplesmente como averbadora.